cenografia e vídeo para:

alice no país das maravilhas

onde tudo é nada e nada é tudo!

 

dança contemporânea com coreografia de inês godinho para a quorum ballet coª dança contemporânea. estreia no teatro recreios da amadora, em fevereiro de 2014.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

fotografias de cristina cardoso

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

desenho de luz: daniel cardoso
concepção de figurinos: alunos da escola de moda de lisboa
execução dos figurinos: fátima zambujo e helena pereira
edição de vídeo: antónio cabrita

“alice no país das maravilhas” é uma obra escrita por lewis carroll (pseudónimo de charles lutwidge dodgson) em 1865 e insere-se no género literário “nonsense”. a história desenvolve-se numa lógica característica dos sonhos, tendo o autor utilizado recursos linguísticos e charadas matemáticas como forma de sátira dirigida tanto às pessoas das suas relações como à sociedade da época. o livro conta a história de alice, uma menina muito curiosa que, a perseguir um coelho, cai na sua toca, sendo transportada para um mundo de fantasia, habitado por seres estranhos e onde vive aventuras fantásticas. nas palavras da criadora, “por ser uma história tão complexa e fora da nossa realidade, consegue fascinar qualquer pessoa. a mim fascinou-me e ainda me fascina! será uma questão de perspectivas ou de impossibilidades possíveis?

alice transporta-nos para um mundo fantástico, onde a realidade não passa de fantasia carregada de valores. pela mão de personagens misteriosas e carismáticas, alice percorre um caminho de aventuras cheias de cor e magia, revelando uma lógica do absurdo exagerado dos sonhos, onde tempo é sinónimo de eternidade. uma peça destinada a todos, dos mais pequenos aos mais graúdos, com muitas peripécias por desvendar! tenho como inspiração a minha pequena irmã alice, que todos os dias me abre as portas do seu extraordinário mundo de fantasias e peripécias. onde tudo é nada e nada é tudo! tal como na história.”

inês godinho