cenografia para:

romeu & julieta

amor: a mais discreta loucura.

amargo veneno e mitigada doçura.

dança contemporânea com coreografia de daniel cardoso para a quorum ballet coª dança contemporânea. estreia em outubro de 2020 no cine-teatro d.joão v, damaia.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

fotografia de cristina cardoso

dramaturgia: ana lázaro e daniel cardoso

música: sergei prokofiev

desenho de luz: daniel cardoso

figurinos: maria monte

vídeo: filipe monteiro

equipa técnica: rui daniel e marco dias

produção: raquel vieira de almeida 

esta nova produção nasce do desejo de continuar a trabalhar os grandes clássicos, dando seguimento ao trabalho desenvolvido com “lago dos cisnes” e “sagração da primavera” de daniel cardoso, relacionando-os com a vida e a sociedade de hoje. o coreógrafo assume desta vez o desafio de apresentar uma nova criação inspirada em "romeu e julieta", uma das obras mais conhecidas de shakespeare, e indubitavelmente um dos clássicos mais revisitados da história da literatura dramática. talvez porque o amor - na sua conceção romântica e absoluta - aquele que é incondicional, transcendente e redentor, continue a ser alvo de pesquisa, espanto e inquietação. esse lugar inexplicado que resgata as emoções mais violentas, as mudanças mais avassaladoras, as ações mais decisivas.

 

nesta abordagem procura desafiar-se a centralidade de romeu e julieta: multiplicados numa visão contemporânea, numa arena em que todos sem exceção, passam a ser romeus e julietas. num universo onde individualmente, todos os homens e mulheres se cruzam de alguma forma no percurso simbólico destas personagens, e experimentam diversas formas de amar. destaca-se ainda a noção de aleatoriedade, ou destino, neste grande palco da esfera social, em que o encontro do amor genuíno pode transformar-se num incontrolado jogo do acaso. mas sobretudo, procura resgatar-se o espaço para reencontrar o amor na sua essência mais humana e crua. a sua força irredutível e capital. o seu poder universal. porque, independentemente das nossas diferenças culturais, sociais e individuais, há algo em que podemos ser unânimes: na fé de que a condição humana seria inconcebível sem o amor. o amor que nos alimenta e simultaneamente nos consome, que nos orienta e faz perder, que pode ser imenso quanto o imensurável mundo interior de quem ama. ou como descreve romeu: "amor: a mais discreta loucura. amargo veneno e mitigada doçura".