cenografia para:

lago dos cisnes

uma fábula humana contada na linguagem do tempo presente

 

dança contemporânea com coreografia de daniel cardoso para a quorum ballet coª dança contemporânea. estreia no teatro recreios da amadora, em fevereiro de 2013.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

fotografia de cristina cardoso

dramaturgia: ana lázaro
música: pyotr ilyich tchaikovsky
desenho de luz: daniel cardoso
figurinos: liliana mendonça
vídeo: antónio cabrita

produção: raquel vieira de almeida

o dia nasce do lado de lá do muro do asilo. lá dentro a loucura tomou o lugar do quotidiano, e os que ali habitam esquecem-se de quem foram. as vozes e os desejos são abafados pelas paredes gigantes deste exílio silencioso. no asilo, as enfermeiras são as rainhas, mestras, que comandam os movimentos dos pacientes; uma mulher limpa os desejos negros dos outros na sombra; e um homem prisioneiro de um corpo enfermo, e da sua loucura, transforma os seus desejos de pássaro nos corpos dos pacientes. como uma gaiola em que a ave não ousa bater as asas, o asilo é uma jaula de gente. uma pena atravessa o corredor. nesse dia chega um homem novo. traz uma música que interrompe o silêncio. a música que traz transformará as paredes.

 

nesta versão contemporânea do clássico “o lago dos cisnes”, os personagens da história original  tornam-se intervenientes numa fábula humana contada na linguagem do tempo presente que acontece num asilo abandonado, lugar fértil em figuras bizarras. entre a ficção e a realidade exploram-se os defeitos, virtudes e impulsos mais humanos, transversais a todos os tempos.

 

ana lázaro